domingo, 3 de outubro de 2010

Via Crucis

Os rios recebem, no seu percurso, pedaços de pau, folhas
secas, penas de urubu
E demais trombolhos.
Seria como o percurso de uma palavra antes de chegar ao
poema.
As palavras, na viagem para o poema, recebem nossas
torpezas, nossas demências, nossas vaidades.
E demais escorralhas.
As palavras se sujam de nós na viagem.
Mas desembarcam no poema escorreitas: como que
filtradas.
E livres das tripas do nosso espírito.

Manoel de Barros. Ensaios fotográficos. Rio de Janeiro: Record, 2000, p. 21.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores